CAMPEÃO REPARTE PONTOS NA RONDA INAUGURAL DO GIRABOLA 2021/22

O campeão em título, Sagrada Esperança da Lunda Norte começou a revalidação do título com um empate sem golos, no terreno do recém-promovido Desportivo da Lunda Sul, em jogo da jornada inaugural do Gira 21/22, disputado, esta sexta-feira (01. 10. 021), no estádio das mangueiras, na cidade de Saurimo.

Os adeptos do futebol lotaram o pequeno estádio das mangueiras para testemunhar o batismo do caloiro Desportivo da Lunda Sul, na sua estreia absoluta no campeonato nacional da primeira divisão pelo campeão nacional e vencedor da Supertaça, o Sagrada Esperança da vizinha província da Lunda Norte.

Batismos à parte, o certo é que o primeiro dérbi regional teve emoção, intensidade, crença e garra entre os contendores em campo, com muito fair play nas bancadas, mas nenhuma das equipas transformou em golos as oportunidades criadas.

Na primeira etapa do jogo, os campeões nacionais estiveram perto de visar a baliza contrária, em duas ocasiões. Aos dez minutos, numa grande arrancada de Lomalissa, no corredor esquerdo, após passar por dois adversários, tabelou com o Lepwa que o deixou de caras com o guarda-redes contrário, mas no toque final fez a bola sair rentinha ao poste esquerdo de Alselmo, já completamente batido.

Já no declinar da etapa inicial, mais uma vez Lepwa, jogador por quem passavam grande parte das transições ofensivas dos diamantíferos, levou outra vez a bola a roçar o poste esquerdo de Anselmo, após bela recepção, no extremo esquerdo, fletiu para a área e num toque em arco ficou há milésimas de abrir o activo. Foi o período mais produtivo dos campeões do Girabola que, aqui e ali, experimentavam algumas dificuldades em parar as investidas dos bastante motivados e aguerridos jogadores da equipa da casa que, municiados quer por DePaiza ou por Filhão, partiam em contra-golpes rápidos, tentando surpreender a defensiva dos lundas do norte.

A segunda metade do prélio não foi muito diferente da primeira, em que assistiu-se a mesma dinâmica do jogo, onde os campeões tentam fazer o seu melhor, num terreno difícil e os donos da casa a quererem mostrar que têm valor para competir de igual para igual com os seus adversários, independentemente do seu estatuto.

Entretanto, foram sempre os campeões nacionais que assumiram as despesas do jogo, tentaram impor o seu ritmo, mas, mais uma vez, a falta de discernimento na finalização impediu que chegassem ao golo que, no minuto 52, esteve nos pés de Jô Paciência que ao ganhar um ressalto, a entrada da área de penálti, sem nenhuma marcação, não teve calma suficiente para violar a baliza adversária.

No desafio frente ao Desportivo da Lunda Sul, a equipa campeã nacional realizou vinte e dois ataques à baliza contrária, dez dos quais pelo flanco esquerdo, cinco pelo corredor central e apenas sete pelo flanco direito.

Sectorialmente, a dupla de centrais e o lateral esquerdo Lomalissa, estiveram-se bem na defesa, construção e projeção de jogadas ofensivas, no meio-campo, Lepwa (enquanto teve forças), Celso, Carlinho e Victoriano foram os motores na recuperação da bola, organização e transições ofensivas do jogo. No ataque, o Depó foi mais batalhador.

Neste desafio, o técnico Roque Sapiri contou com os seguintes atletas:

Guarda-redes: Leonardo e Gerson (ex-Petro de Luanda);

Defesas: Luis Tati, Gaspar, Lula, Lomalissa (ex-Bravos do Maquis), Muenho e Simão,

Médios: Victoriano, Celso, Carlinhos (ex-Yong África), Lépwa, Reginó, Messias (ex-Cuando Cubango FC), Anibal e Cachi;

Atacantes: Depó (ex-RC Caála), Jô Paciência, Adó Pena e Matengó.

Na 2ª jornada do campeonato, o campeão recebe, no Dundo, o recém promovido Kabuscorp do Palanca.

Leave a Reply

Precisas de ajuda?
Enviar via WhatsApp